Castanha I

by Luís Antero

/
1.
2.
12:53
3.
4.
5.

about

Trabalho sonoro realizado para a exposição multimédia "A Castanha d'Oliveira", promovida pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Oliveira do Hopsital, no âmbito da XIII Festa da Castanha de Aldeia das Dez, nas localidades de Carvalha, Aldeia das Dez e Vale de Maceira, no concelho de Oliveira do Hospital.

Excertos escritos do catálogo produzido para a exposição e que servem de enquadramento deste trabalho sonoro:

Carvalha

Na Carvalha, a mancha de castanheiros é de uma dimensão assinalável. Só no Soito da Josefina, por exemplo, e área circundante, contámos mais de duas centenas de castanheiros. Lá estando, na companhia do prestável Aníbal Fernandes, proprietário daquelas árvores que parecem comunicar connosco, todo um novo mundo se abre diante dos nossos olhos... Ouvimos o som dos ouriços a cair naturalmente e escutamos o saber popular do senhor Aníbal, enquanto apanha vários magustos de castanhas. Deste saber popular, descobrimos, por exemplo, três espécies diferentes de castanha: Espinhal, Catrinana e Portelã. No livro "Memórias da Maria Castanha", de Jorge Lage, são identificadas mais de duas centenas de espécies diferentes de castanha em solo português mas, curiosamente, a espécie Catrinana não aparece assinalada. Porventura, tratar-se-á de uma adulteração toponómica desta espécie...
Maria Olimpia, habitante da Carvalha, com oito décadas de vida, relatou-nos episódios muito interessantes relativos ao universo castanícola daquela localidade. Nos idos da década de cinquenta do século XX, iam as mulheres da Carvalha a Loriga, a pé pela serra, vender castanha ou trocá-la por outros haveres necessários. Convém lembrar que Loriga, nesse tempo, era um importante centro de negócios, uma vez que possuía, já nessa altura, uma base industrial de grande importância.
Para Loriga não iam os homens da Carvalha, somente as mulheres. Eram elas as guardiãs da castanha. Assim era que, enquanto jovens, ajudavam os pais (ou o pai, principalmente) na recolha diária e matutina da castanha. Depois, já em casa, eram colocadas no caniço – castanhas caniçadas – onde permaneciam recebendo o calor emanado na fogueira para, mais tarde, já secas, se colocarem no “barreleiro” (ou cesto de pisar castanhas ou canastrão) onde Albano Sazeiro, o único que naquela altura entendia da nobre arte de pisar as castanhas, aos serões, “passava horas e horas a pisar castanhas”, enquanto as jovens mulheres dividiam as várias espécies de castanhas para os seus respectivos fins: “as mais branquinhas”, de nome “piladas”, para a alimentação familiar, as outras, secas, para venda. Estas castanhas piladas eram depois guardadas em sacos para o seu uso na culinária, principalmente na chamada Sopa de Castanha. As Castanhas Aveladas (também conhecidas por “más”), por exemplo, serviam para se irem comendo no dia-a-dia, para consolo da família, como nos relatou Maria Olimpia.
Por altura do Dia de Todos os Santos era habitual na Carvalha a realização de magustos, com a ajuda preciosa da caruma que, tal como hoje, servia para assar o “fruto dos frutos”. Ainda diariamente, era usual haver um assador de castanhas em casa ou uma panela com castanhas cosidas, para alimento familiar, muitas vezes como principal manjar.
Naquele tempo, na Carvalha, as terras “desocupadas” que havia eram para a agricultura. Raramente havia quem tivesse um castanheiro ou mesmo uma árvore de fruto. Estes, em grandes quantidades e em soitos, pertenciam a José Lencastre Marques Correia.

Aldeia das Dez

Em Aldeia das Dez detivemo-nos principalmente, em termos de recolha oral, nos pratos gastronómicos que têm a castanha como principal ingrediente. Para tal, contámos com a preciosa ajuda de Maria do Céu Castanheira que, fazendo jus ao nome, nos partilhou algumas das suas saborosas receitas, tal qual a sua mãe e avó faziam quando Maria do Céu era jovem.
Convém (re)lembrar que Aldeia das Dez, e toda a mancha territorial desta freguesia é pródiga em castanheiros e soitos de castanheiros. O soito da Quinta do Boco é um dos exemplos maiores (pelo menos dentro daquilo que nos foi possível pesquisar) da excelência do castanheiro e da castanha nesta freguesia. Muitos mais haviam, mas um incêndio na década de 1980 destruiu grande quantidade deles. No entanto, grassa por toda a freguesia generosas espécies de castanheiros, dando castanhas suficientes para o consumo familiar durante todo o ano. Não é por acaso que aqui se comemora anualmente a Festa da Castanha de Aldeia das Dez.

(um trabalho sonoro dedicado à Aldeia do Colcurinho, da freguesia de Aldeia das Dez, abandonada, mas com castanheiros seculares e imponentes a chamarem a nossa atenção, será editado num futuro próximo)

Vale de Maceira

No “café do Basílio” (Quiosque N. Sra. das Preces), em pleno Santuário de N. Sra. Das Preces, fomos encontrar um simpático conjunto de habitantes de Vale de Maceira, que se dispôs, prontamente, a contribuir para este trabalho. Começámos, influenciados que vínhamos de Aldeia das Dez, por tentar perceber qual o uso da castanha na alimentação daqueles habitantes.
Era pois tradição e prática comum comerem-se as castanhas assadas, sendo ainda hoje a principal tradição ligada a este fruto, bem patente nos chamados magustos tradicionais e comunitários. Quando as castanhas estavam meio secas ou aveladas, termo também usado nesta localidade, comiam-se então as castanhas cozidas. Chamava-se a esta castanha cozida, castanha descoa ou cascarruda.
Outro processo utilizado em Vale de Maceira era aquele que provinha da permanência da castanha no caniço (zona de ripas de madeira entreabertas por cima da lareira onde as castanhas secavam).
Depois de secas, eram colocadas no cesto de pisar castanhas ou canastrão, onde eram pisadas com a ajuda de uns tamancos de brochas (ou botas de brochas), aproveitando-se estas para o uso culinário durante todo o ano, nomeadamente para o chamado Caldo de Castanha (sopa de castanha pobre), especialmente utilizada por altura da sementeira e comida no próprio campo de cultivo.
Outra prática comum em Vale de Maceira era aquela ligada à economia popular em volta deste fruto, ou seja, exceptuando as castanhas que eram utilizadas na alimentação, uma grande quantidade delas era para vender a quem de fora visitava a aldeia de Vale de Maceira, muito conhecida, naturalmente, por ali existir o excelso Santuário de N. Sra. Das Preces e Jardim Botânico e, também de forma natural, por se saber haver naquelas paragens boas castanhas para comprar. Hoje em dia, a castanha que se apanha é para consumo próprio e pouco mais.
Outro dado curioso que fomos encontrar prende-se com as espécies de castanhas ali existentes, diferentes, por exemplo, daquelas que encontrámos na Carvalha (Penalva de Alva). Assim, temos a Castanha Brava, nascida de um castanheiro que por sua vez nasceu de uma “castanha furtiva deixada cair pelo próprio pássaro” (Eduardo Dias Mendes), a Castanha Longal, a Vermelhinha, a Portelã e a Castia.

credits

released November 23, 2014

Gravações Sonoras de Campo/Field Recordings: Luís Antero
Local/Location: Carvalha (UF Penalva de Alva e S. Sebastião da Feira), Aldeia das Dez e Vale de Maceira (Aldeia das Dez), Oliveira do Hospital, Coimbra
Fotos e capas/Photos & artwork: LA
Ano/Year: 2014
(cc) 2014

tags

license

about

Luís Antero Portugal

Artista sonoro. Desenvolve desde 2008 um trabalho de recolha e documentação do património acústico das zonas da Beira Serra e Serra da Estrela, com base em gravações sonoras de campo...

Sound artist. Since 2008 he develops an ongoing project in collecting the acoustic heritage of the areas of Beira Serra and Serra da Estrela, in Portugal...

+ info: www.luisantero.yolasite.com
... more

contact / help

Contact Luís Antero